Experiências ou como facilitar o trabalho do agricultor

Com a proximidade do fim do ano era altura de plantar morangos. Não tínhamos qualquer plano para este cultivo e finalmente decidimos aproveitar que uns produtores amigos iam fazer uma encomenda de plantas para encomendar as nossas. Duzentas plantas que para nós, pequenos agricultores, nos pareceram muitas e que depois percebemos que qualquer vizinho nosso só para seu consumo privado não planta menos de trezentas. Sim, trezentas, no mínimo!

Mas deixemos as comparações de lado e vamos ao que interessa. No nosso trabalho entre outras desvantagens temos que passamos algum tempo agachados já seja para semear, plantar, mondar ou colher. E posso garantir-vos que não é a posição mais confortável para trabalhar e por isso sonhamos com poder trabalhar de pé. De modo que com esta idéia construímos um sistema para os morangos utilizando chapas de zinco recicladas e dobradas, apoiadas em cavaletes de madeira. Na base dos “tubos” colocamos pedra para que drene bem e em cima enchemos com uma mistura de terra, turba e estrume. Para finalizar a água da rega é recuperada e pode ser reutilizada. Com tudo isto montado foi só plantar os morangos.



 

 



Ainda nos sobravam bastantes pés e todos insistiam em que os puséssemos com plástico. Não somos fãs do plástico mas resolvemos experimentar. Tem como vantagens evitar ervas daninhas e que a fruta não toca no chão.




Depois de plantar duas filas em plástico, ainda nos sobravam pés e já que andávamos em modo de experiências, decidimos pô-los como sempre o fizemos, na terra sem plásticos.




E depois disto ainda nos sobraram uns poucos pés porque afinal de contas e contra todas as opiniões, duzentos morangueiros são muitos morangueiros (ao menos para nós!). Acabamos por reparti-los por uma caixa de esferovite reciclada. Aproveitei para lhe pôr um vidro (também reciclado!) e assim temos uma mini-estufa. E depois disto ainda ficaram três pés que coloquei em vasos. Ufff!





Conclusões de tudo isto:

1. para quem não tinha previsto cultivar morangos, acabamos por investir bastante tempo e trabalho mas o mais importante foi o quanto nos divertimos e emocionamos com todas estas experiências;

2. com esta variedade de técnicas vamos poder ver qual funciona melhor. E funcionar melhor não é só produzir mais ou ter menos trabalho, é também ver qual é a técnica que dá morangos mais saborosos que afinal de contas é o nosso principal objetivo;

3. trabalhar em grupo é sempre melhor sobretudo quando somos pequenos. Foi bom poder partilhar a encomenda com outro produtor um pouco maior que nós já que provavelmente o fornecedor não nos teria enviado só 200 pés. E foi bom ter a ajuda de um cliente do Mercado da Quinta das Conchas (benditos mercados!!) que nos deu uma mãozinha para plantar tanto morangueiro. Sem ele ter posto o plástico em dia de vento teria sido uma tarefa bem mais complicada;

E agora clientes, amigos, leitores, apreciadores de morangos dos bons, daqueles que são produzidos respeitando os tempos da natureza e a natureza, resta-nos esperar alguns meses mas garantimos-vos que a espera vai valer a pena porque as coisas feitas com carinho só podem sair boas!






Experimentos o de como facilitar el trabajo del agricultor

Con la llegada del final de año era hora de ir pensando en plantar fresas. No teníamos cualquier plan para este cultivo y al final hemos decidido aprovechar que unos productores nuestros amigos iban a hacer un pedido de plantas, para encargar las nuestras. Doscientas plantas que para nosotros, pequeños agricultores, nos han parecido muchas y que después nos hemos dado cuenta que cualquier vecino nuestro, sólo para su consumo, no planta menos de trescientos pies. Sí, trescientos, como mínimo!

Pero dejemos las comparaciones y vamos al grano. En nuestro trabajo, entre otras desventajas tenemos que hay que pasar algún tiempo agachados ya sea para sembrar, plantar, quitar hierbas o cosechar. Y os puedo garantizar que no es la posición más cómoda para trabajar y por eso soñamos con poder trabajar más de pié. Así que, con esta idea en la cabeza construimos un sistema para las fresas utilizando chapas de zinc recicladas y dobladas, apoyadas en pies de madera. En la base de los tubos pusimos piedra para el drenaje y encima llenamos con una mezcla de tierra, turba y estiércol. Para terminar el agua del riego se recupera y puede ser reutilizada. Con todo esto montado, plantamos las fresas.

Aun nos sobraban fresas y todos insistían que las pusiéramos con plástico. No somos amantes del plástico pero al final lo probamos. Tiene como ventajas evitar malas hierbas y que la fruta no toca en el suelo.

Después de plantar dos hileras con plástico, aun nos sobraban pies y como estábamos en modo pruebas, hemos decidido ponerlas como siempre lo hemos hecho, directamente en la tierra sin plástico.

Y después de todo esto aun nos sobraban pies porque al final y contra todas las opiniones, doscientas fresas, son muchas fresas (al menos para nosotros!!). Las repartimos por una caja reciclada. Le pusimos un cristal encima (también reciclado!) y así tenemos un mini invernadero. Y después de esto aun nos sobraban 3 plantas que las pusimos en macetas. Uff!!

Conclusiones de todo esto:

1.para quien no tenia previsto plantar fresas, acabamos por invertir bastante tiempo y trabajo pero lo más importante fue lo bien que nos lo pasamos y lo emocionante que es hacer pruebas;

2.con esta variedad de técnicas vamos a poder ver cual es la que mejor funciona. Y funcionar mejor no es sólo producir más o tener menos trabajo, es también ver cual es la técnica que da fresas más sabrosas que al final es nuestro objetivo;

3.trabajar en grupo siempre es mejor sobretodo si somos pequeños. Ha estado muy bien poder compartir el pedido ya que el proveedor no nos hubiese enviado sólo 200 pies. Y también ha sido buen tener la ayuda de un cliente del Mercado de Quinta das Conchas que nos ha echado una mano para plantar tantas fresas. Sin él poner el plástico en día de viento hubiese sido más complicado;

Y ahora clientes, amigos, lectores, apreciadores de fresas de las buenas, de aquellas que son producidas respectando los tiempos de la naturaleza y la naturaleza, nos resta esperar algunos meses pero os garantizamos que la espera va a valer la pena porque las cosas hechas con cariño sólo pueden salir buenas!

4 comentários:

  1. Muy interesante. Mucho
    Un abrazo desde Sant Antoni.
    Salut

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gracias Miquel! Un abrazo desde Zibreira da Fé!

      Eliminar
  2. Adorei as ideias! Vou mostrar ao meu Zé Manel logo, quando a vida acalmar depois do jantar :) Mas deixa-me que te diga que 200 pés são mesmo muuuuuitos pés! Não sei quantos temos, apenas sei que já são muitos mesmo assim e que, como se reproduzem que nem coelhos :), na próxima plantação já não há quem domine tantas plantas, ufa. Mas não duvido que vocês vão ter os melhores morangos da região! Queria também salientar que adorei a ideia das tuas receitas plastificadas, que publicaste no Instagram! Uma rica ideia, sem dúvida. E a foto do gelo também está muito bonita, adorei. Aliás, acho o frio muito fotogénico :) Beijinhos e agasalhem-se bem!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também acho que sao mais que suficientes, acho que dá para dar vender e comer mas há sempre quem ache que sao pouco!!
      Comprei uma máquina de plastificar no Lidl um pouco já com essa ideia e a verdade é que está a funcionar bem!!
      Este inverno está a ser bem bom e diz isto uma pessoa que nao se dá muito bem com o frio mas gosto que as estaçoes sejam marcadas e acho que este frio é bom para muitas coisas na horta e afinal de contas dura só umas 2 semanas e é fotogénico como dizes!! Beijinhos

      Eliminar