Calor



É inevitável e agradece-se. Cada coisa a seu tempo. Calor no verão. Frio no inverno. Nêsperas em Maio e não em Novembro como já nos estava a passar. As árvores não entendem de calendários, está claro.

Mas o que é óbvio é que os dias são mais curtos, à noite inevitavelmente arrefece, o outono definitivamente instalou-se e o inverno já nos vai piscando o olho. E o nosso corpo e espírito buscam refugio ora nas roupas quentes ora no conforto do lar. Apetece estar em casa. Apetece estar em família e voltar aos rituais da estação. Ouvimos mais musica, preparamos lanches ajantarados aos fins de semana com tudo o que temos direito: figos secos, nozes, chá, bolos feitos com os ovos das nossas galinhas. E pouco a pouco, ainda que muito levemente, tudo vai ganhando sentido e as peças vão encaixando. O ano vai-se desvanecendo e nós não resistimos...



Calor

Es inevitable y se agradece. Cada cosa a su tiempo. Calor en verano. Frío en invierno. Nísperos en Mayo y no en Noviembre como ya nos estaba pasando. Los árboles no entienden de calendarios, está claro.

Pero lo que es obvio es que los días son más cortos, por la noche inevitablemente hace frío, el otoño definitivamente se ha instalado y el invierno ya nos va guiñando un ojo. Y nuestro cuerpo y espirito buscan refugio en las ropas calientes y en el color del hogar. Apetece estar más en familia y volver a los rituales de la estación. Escuchamos más música, los fines de semana preparamos meriendas-cenas con todo lo que tenemos derecho: higos secos, nueces, tes, pasteles caseros hechos con los huevos de nuestras gallinas. Y poco a poco, aun que suavemente, todo va ganando sentido y las piezas van encajando. El año se desvanece y nosotros no resistimos...

4 comentários: