E hoje, mais poesia...• Y hoy, más poesía...



O inverno torna a quinta muito verde. Foi assim que a conhecemos há dois anos atrás e se nos esquecermos um pouco do trabalho que vai dar voltar a cortar as ervas daninhas por enésima vez, até achamos que fica muito bonita.




E então à cabeça veio-me o poema de Camões, Verdes são os campos. Deixo-vos o poema em português. Descobri também que o Zeca Afonso interpreta este poema mas isso, já sabem, fica para o próximo sábado.


Verdes são os campos,
De cor de limão:
Assim são os olhos
Do meu coração.

Campo, que te estendes
Com verdura bela;
Ovelhas, que nela
Vosso pasto tendes,
De ervas vos mantendes
Que traz o Verão,
E eu das lembranças
Do meu coração.

Gados que pasceis
Com contentamento,
Vosso mantimento
Não no entendereis;
Isso que comeis
Não são ervas, não:
São graças dos olhos
Do meu coração.




El invierno deja la finca muy verde. Así fue como la conocimos hace dos años y si nos olvidamos un poco del trabajo que dará volver a quitar todas las hierbas por enésima vez, hasta la encontramos bonita.




Y entonces me vino a la cabeza el poema de Camões , Verdes son los campos. Os dejo con el poema (arriba, en portugués). También he descubierto que Zeca Afonso interpreta el poema pero eso, ya sabéis, queda para el próximo sábado.

1 comentário:

  1. Uyyy cuanta hierba ¡¡¡¡
    esto de la lluvia hace florecer hasta los matorrales ¡¡

    ResponderEliminar